Cães podem ajudar a curar depressão?

29/05/2017

Os animais candidatos passam por um extenso processo seletivo e precisam ser castrados e adestrados. Mas a terapia canina ajuda muito!

 

 

Não só depressão como várias outras doenças. A terapia assistida por animais (TAA) é uma intervenção que visa o desenvolvimento físico, psíquico e social do paciente. Forte nos EUA e na Europa (principalmente em Portugal e na Espanha), a TAA deu seus primeiros passos no Brasil na década de 1990. Também conhecido como “pet-terapia” e “zooterapia”, esse método alternativo de ajuda para diversas doenças e deficiências mentais e motoras serve como complemento aos tratamentos tradicionais.

 

Os “terapeutas de quatro patas”, claro, não atuam sozinhos: as equipes podem incluir veterinários, psicólogos, médicos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e assistentes sociais. Os cachorros são os animais mais utilizados, mas cavalos, coelhos, chinchilas, gatos, peixes, tartarugas e até cobras e lagartos podem dar uma forcinha extra a quem está precisando.

 

1. Os cães candidatos têm entre 1 e 5 anos. O processo seletivo é extenso: há um exame clínico (para identificar zoonoses, problemas dermatológicos e ortopédicos), um exame laboratorial (incluindo estudo parasitológico das fezes e hemograma), um teste comportamental (analisando reações a comportamentos agressivos e amigáveis) e uma avaliação na companhia de outros bichos ou de um aglomerado de gente. Importante: em São Paulo, cães enquadrados na lei da mordaça (obrigados a usar focinheira) não podem ser terapeutas.

 

2. Labradores e golden retrievers são os queridinhos da TAA por sua docilidade e alta treinabilidade, mas não há restrição de raças para atuar nessa área. Os cuidados são simples: vacinas, vermifugação a cada três ou quatro meses, controle de carrapatos e pulgas e visitas periódicas ao veterinário. Mas tem um “pulo do gato”: cães terapeutas devem ser castrados e não podem interagir com cachorros de rua.

 

3. No adestramento básico, aprendem a sentar, ficar, deitar e andar sem puxar a guia. Também são “dessensibilizados” para não reagirem com violência quando tocados em áreas como orelhas e nariz. Mas o nível de exigência do treinamento varia com a função a ser exercida. Por exemplo: um cão pode ser treinado a buscar a bolinha arremessada por um paciente de fisioterapia. Outro só precisa aprender a ficar presente, recebendo carinho.

 

4. Segundo estudos, a TAA traz benefícios a pessoas de qualquer idade que encaram problemas como autismo, esquizofrenia, psicoses, paralisia cerebral, distúrbios de atenção e aprendizagem, depressão e luto. O simples carinho no bicho promove uma descarga de neurotransmissores ligados ao bem-estar, elevando níveis de serotonina e dopamina e diminuindo a pressão arterial e a frequência cardíaca

Please reload

O que são crenças limitantes?

05.07.2018

Como criamos a Frustração

05.07.2018

Como a ansiedade muda a nossa percepção do mundo?

05.07.2018

Chorar bastante pode fazer bem

05.07.2018

1/4
Please reload

SOBRE O SITE

A ideia deste site é contribuir com informações sobre psicoterapia, psicologia, bem estar e saúde emocional.

 

 A psicóloga Beatriz Brandão atende na região de Moema em São Paulo, no seu consultório de psicoterapia.

 

Seja muito bem-vindo, e espero que você encontre aqui as ferramentas para fazer você compreender melhor o trabalho do psicólogo no processo de terapia e desenvolver o que há de melhor em você.

CONTATO

  • White Instagram Icon
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Google+ Icon
  • White YouTube Icon

BEATRIZ BRANDÃO

PSICÓLOGA

MAPA SITE

|   CRIADO POR: BEATRIZ BRANDÃO | PSICÓLOGA BEATRIZ BRANDÃO   |  MOEMA | CLINICA PSICOLOGIA  |  ATENDIMENTO PSICOLOGICO | PSICOTERAPIA | PSICOLOGIA | 2017 |