Como eu conheci o Carl Jung?

 

 

 

Quando eu estava estudando, os dois primeiros anos (o curso de psicologia tem duração de 5 anos), eu senti que talvez eu estivesse no curso errado e toda a minha "vocação" estava ameaçada.  Os dois primeiros anos, são mais focados para a historia da psicologia, para a psicanalise (Freud), para a psicologia comportamental. 

 

 

 

Foi então que eu decidi fazer uma tatuagem com o simbolo da psicologia (Ψ), no meu pulso esquerdo, para que eu não desistisse, pois algo em mim dizia que eu estava no caminho correto.

 

Como sempre falo para meus pacientes, a psicologia vai além do que temos de conhecimento comum. E isso nós vemos na faculdade, existem vários teóricos, várias linhas de tratamento. Por isso muitos estudantes podem ficar confusos nesse período em que temos uma enxurrada de informações. 

 

Então em uma noite despretensiosa eu ouço que teremos naquele ano uma matéria que irá passar por cima de outras teorias para conhecer e quem sabe desperte o interesse. Bem, não foi assim que a professora falou, mas foi assim que eu ouvi e então é assim que reproduzo para vocês.

 

Começamos a conhecer os “descendentes” de Freud, todos o que partiram de sua teoria e construíram algo dela. Então eu ouço algo sobre um “herdeiro rebelde”, poxa, valia a pena ouvir sobre esse cara, que havia rompido com o todo poderoso Freud. Quem era esse ser que desafiava Viena inteira e a sociedade de psiquiatria?

 

 

Comecei a saber mais do psiquiatra suíço, que não era judeu, que era visto como místico e tinha muitos desafetos na sociedade de psicanalise e que tinha algumas peculiaridades além de romper com um dos maiores nomes da época – e atualidade.

 

 

Não me lembro o momento exato em que eu tive o insight com o Jung, mas me lembro que duas coisas acabaram fazendo eu ir atrás daquele velho suíço estranho: Quíron e ele ter virado as costas para uma promissora carreira.

 

 

Jung fez uma analogia sobre o mito de Quíron da mitologia grega e o analista/psicólogo. Sobre em como o centauro ferido buscava remédios para curar sua perna se tornou um grande médico/curandeiro.  Foi então que eu li uma de suas frases mais significativas para mim: “Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana” – C.G. JUNG

 

 

 

Foi então que eu percebi, que eu estava diante de alguém que poderia me fornecer o conhecimento que eu estava buscando, que eu estava ali para consumir.

 

 

 

Ao renegar ser o “discípulo”, “herdeiro, “filho” de Freud, ele simplesmente deixou muitas possibilidades para trás. Então quando eu entendi que para Jung era mais importante se questionar sempre e entender que não podemos acreditar que estamos com uma formula perfeita para resolver todas as questões de todos. Não podemos pegar uma teoria e aplicar ela em todas as pessoas e acreditar que isto é o correto.

 

 

 

Ele escolheu entre ter o reconhecimento de Freud e a sociedade ou aceitar que existe outras possibilidades. Jung ficou com as outras possibilidades.

 

 

 

Foi então que eu me dediquei a este carinha, mas é claro que eu sei muito bem que ele não era uma pessoa santificada e que tem lá seus contrapontos. E é por isso que eu o escolhi, Jung sabia errar e aceitava isso.

 

 

 

“Tudo depende de como vemos as coisas e não de como elas são”
 
C.G. JUNG

 

 

 

Eu sempre digo: “Eu estudo a teoria junguiana, mas não sou cosplay do Jung”, pois eu sempre achei que algo de muito estranho acontece com algumas pessoas, quando acabam se definindo “teoria tal” ou “fulano de tal” e absorvendo a visão moral, a visão religiosa, a forma de falar, a forma de se vestir e de agir do pensador. Bem, isso é estranho, pelo menos para mim, que pretendo não apenas reproduzir conteúdos científicos e teóricos sem ao menos questionar, avaliar e transformar.

 

 

 

Por isso, eu não digo aos quatros ventos que eu sou Junguiana, eu sou na verdade BRANDONISTA, afinal de contas, não estou aqui apenas para reproduzir, mas sim para ser uma curadora ferida de almas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Please reload

O que são crenças limitantes?

05.07.2018

Como criamos a Frustração

05.07.2018

Como a ansiedade muda a nossa percepção do mundo?

05.07.2018

Chorar bastante pode fazer bem

05.07.2018

1/4
Please reload

Título 2