Vigorexia: quando a obsessão é mais forte que os músculos!

11/11/2016

Cada vez mais nas modas, as academias de ginástica e estúdios de crossfit, locais onde se fomenta a saúde e a estética, podem esconder doenças. A vigorexia é um transtorno que afeta a mente e alastra seus sintomas no corpo em forma de rigidez, obsessão e perfeição.

 

  

Nota-se atualmente na sociedade um conceito massificado do que é estético e socialmente aceito, tendo como padrão físico extremamente rígido e quase inalcançável no que se refere a “corpo ideal”, ignorando assim a produção de um comportamento quase coletivo que vem sendo incessantemente reforçado. Assuntos relacionados a dietas, aparência física, cirurgias plásticas e a prática de exercícios físicos estão em toda parte: no trabalho, na escola, em festas, em grupos e nas redes sociais. Ter o corpo considerado ideal e a qualquer custo vem sendo um objetivo cada vez mais constantemente buscado, por homens e mulheres, de todas as idades.

 

Tais exigências passam a confrontar, quase que constantemente, a autoestima, a autoimagem e a imagem corporal que esses indivíduos passam a ter de si próprios. A imagem corporal está relacionada com a autoestima, que significa amor próprio, satisfação pessoal e, acima de tudo, estar bem consigo mesmo. Se existe uma insatisfação, esta se refletirá na auto imagem.

 

A primeira manifestação da perda da autoconfiança e percebida quando há a sensação de que o corpo que se tem não está de acordo com o estereótipo imposto como ideal pela sociedade.

 

A auto percepção corporal é um aspecto importante quando se refere à imagem corporal, podendo ser influenciada por diversos fatores, incluindo a cultura e os padrões sociais. A auto percepção corporal pode estar relacionada com a distorção da imagem corporal. Nos homens, a preocupação excessiva com o corpo pode desencadear diversos sintomas, além de um novo transtorno comportamental denominado vigorexia.

 

A vigorexia, um transtorno também conhecido como dismorfia muscular ou anorexia reversa, foi recentemente incluída no novo manual de psiquiatria americano enquadrando-se como Transtorno Dismórfico Corporal dentro de Transtorno Obsessivo Compulsivo no DSM 5 – um problema de saúde mental relacionado a imagem corporal –, contemplando os seguintes critérios diagnósticos:

  • Preocupação com um ou mais defeitos ou falhas percebidas na aparência física que não são observáveis ou que parecem leves para os outros.

 

  • Em algum momento durante o curso do transtorno, o indivíduo executou comportamentos repetitivos (p. ex., verificar-se no espelho, arrumar-se excessivamente, beliscar a pele, buscar tranquilização) ou atos mentais (p. ex., comparando sua aparência com a de outros) em resposta às preocupações com a aparência.

 

  • A preocupação causa sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, profissional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.

 

  • A preocupação com a aparência não é mais bem explicada por preocupações com a gordura ou o peso corporal em um indivíduo cujos sintomas satisfazem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar.

 

 

 

 

 

No vigoréxico habita a ideia de que sua estrutura corporal é muito pequena ou insuficientemente musculosa, sendo que os indivíduos com essa forma de transtorno, na verdade, têm uma aparência corporal normal ou são ainda mais musculosos.

 

Comumente, os indivíduos diagnosticados com vigorexia percebem-se como pequenos e fracos, enquanto costumam apresentar uma estrutura muscular acima da média da população masculina, o que vem a caracterizar uma distorção da imagem corporal. Esses indivíduos demonstram um cuidado exacerbado com seu percentual de massa muscular, o que pode acarretar em excessos na prática de exercícios anaeróbicos, levantamento de pesos, dietas hiperprotéicas e uso abusivo de suplementos ou até mesmo consumo indiscriminado de esteroides anabolizantes. É notado também que pessoas que sofrem desse transtorno raramente se apresentam desnudos em público, buscando sempre estar cobertos por várias camadas de roupas que escondam suas supostas condições de fracos e pequenos. Os mesmos evitam exercícios aeróbicos para não correrem o risco de diminuir seu percentual de massa magra.

 

Em relação aos exercícios físicos, observa-se que indivíduos com vigorexia não praticam atividades aeróbicas, pois temem perder massa muscular. Além disso, esses indivíduos tendem a desenvolver comportamentos perfeccionistas e auto exigentes, obsessivos pelo exercício físico e consequentemente ansiosos, depressivos e compulsivos – comportamento esse que pode ser até mesmo observado pelo número de olhadas seguidas no espelho

 

Devemos considerar que em primeiro lugar, existe quase certamente um componente genético, com base biológica. Mas a genética não age sozinha. O segundo provável componente é psicológico – raízes obsessivas e compulsivas derivadas, pelo menos em partes, de experiências durante sua criação. A vigorexia é considerada um transtorno de dismorfia corporal, quando associado à insatisfação e à crença de que o corpo não está com a musculatura desenvolvida satisfatoriamente.

 

É importante salientar também que a prática de exercícios físicos meramente ou o fisiculturismo não são sinônimos de vigorexia. As suspeitas de um comportamento vigoréxico vêm a partir do momento que essa obsessão passa a interferir a vida do indivíduo em outros aspectos (social, profissional, emocional e financeiro).

 

Tratamento

Não existe um protocolo a ser seguido no que diz respeito ao tratamento da vigorexia. A maioria das técnicas são adaptadas do tratamento de quadros similares e não devem ser entendidas como definitivas. As alternativas incluem a psicoterapia, através da identificação de padrões distorcidos de percepção da imagem corporal, identificação de aspectos positivos da aparência física, abordar e encorajar atitudes mais sadias, e enfrentar a aversão de expor o corpo.

 

Você já apresentou algum sintoma ou conhece alguém que ossa estar enfrentando a vigorexia? Compartilhe com a gente nos comentários…

 

 

Please reload

O que são crenças limitantes?

05.07.2018

Como criamos a Frustração

05.07.2018

Como a ansiedade muda a nossa percepção do mundo?

05.07.2018

Chorar bastante pode fazer bem

05.07.2018

1/4
Please reload

SOBRE O SITE

A ideia deste site é contribuir com informações sobre psicoterapia, psicologia, bem estar e saúde emocional.

 

 A psicóloga Beatriz Brandão atende na região de Moema em São Paulo, no seu consultório de psicoterapia.

 

Seja muito bem-vindo, e espero que você encontre aqui as ferramentas para fazer você compreender melhor o trabalho do psicólogo no processo de terapia e desenvolver o que há de melhor em você.

CONTATO

  • White Instagram Icon
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Google+ Icon
  • White YouTube Icon

BEATRIZ BRANDÃO

PSICÓLOGA

MAPA SITE

|   CRIADO POR: BEATRIZ BRANDÃO | PSICÓLOGA BEATRIZ BRANDÃO   |  MOEMA | CLINICA PSICOLOGIA  |  ATENDIMENTO PSICOLOGICO | PSICOTERAPIA | PSICOLOGIA | 2017 |