Como reconhecer o autoflagelo?

Autoflagelo (também conhecido como automutilação ou autolesão) é o ato intencional de ferir a si mesmo como uma maneira de lidar com imensa tristeza, raiva ou frustração. Ele geralmente não indica um desejo suicida, mas pode significar que a pessoa está pedindo por ajuda. A melhor maneira de ajudar alguém que se autoflagela é compreender a situação e apoiar a jornada de recuperação dela.

 

Confie em seus instintos 

Se você começar a desconfiar que alguém está causando ferimentos a si mesmo, não ignore suas suspeitas. Confie em seu passado com o indivíduo e sua própria habilidade de ler as pessoas para determinar se algo está acontecendo. Pense se é possível seu amigo estar tentando: 

  • Gerenciar ou reduzir severa angústia ou ansiedade, proporcionando uma sensação imediata de alívio.

  • Conseguir uma distração para emoções dolorosas através de dor física.

  • Sentir-se no controle de sua vida, corpo ou sentimentos, principalmente se for uma pessoa perfeccionista.

  • Sentir algo na vida. Às vezes, quem adota esse tipo de prática se sente tão emocionalmente vazio que ver o seu próprio sangue ajuda a sentir-se vivo. 

  • Expressar sentimentos que não consegue suportar de uma maneira externa e comunicar a angústia e dor emocional que sente ao mundo exterior.

  • Castigar-se pelos próprios defeitos.

  • Tem sinais físicos e cicatrizes que demonstrem a dor emocional.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Perceba sinais de autoflagelo

O ferimento geralmente é feito nos braços, pernas ou tronco, já que essas são as áreas mais fáceis de se esconder. Se você ficar atento, porém, pode ser capaz de ver as áreas lesadas de relance. Contudo, não se deve tentar espiar e ver de maneira forçada as partes do corpo que a pessoa mantém escondidas; seria mais sensato apenas perguntá-la se ela está ferindo-se. Alguns sinais de que um amigo ou um ente querido está ferindo-se podem incluir:

  • Machucados ou cicatrizes sem explicação.

  • Vestir roupas demais constantemente, mesmo quando o clima ou a ocasião pede por um vestuário diferente.

  • Alegar acidentes constantes (para justificar machucados e cicatrizes).

  • Manchas de sangue aparecendo nas roupas ou outros lugares.

  • Alterações de humor ou comportamento, como isolar-se ou parecer deprimido ou irritado.

  • Períodos longos de silêncio

 

Considere os diversos métodos de autolesão

Embora os meios específicos de automutilação possam variar, os praticantes costumam usar um ou mais dos seguintes métodos: 

  • Cortar ou arranhar a pele.

  • Queimar a pele (com fósforos acesos, cigarros ou objetos quentes).

  • Gravar palavras ou símbolos na pele.

  • Perfurar a pele com objetos afiados.

  • Quebrar ossos, bater-se ou socar-se ou bater a cabeça.

  • Morder-se.

  • Puxar os próprios cabelos.

  • Puxar as cascas ou interferir na cicatrização de feridas.

  • Beber algo venenoso, como detergente ou água sanitária.

 

 

Tente compreender o autoflagelo

Conhecer a respeito da autolesão pode ajudá-lo a entender por que ela ocorre, relacionar-se com quem a pratica e como, com compaixão, apoiar a pessoa na obtenção de ajuda de forma a parar esse comportamento. 

 

O autoflagelo está relacionado à dor psicológica e angústia, dificuldade em expressar emoções e acúmulo de sentimentos negativos contra si mesmo, como culpa, rejeição, tristeza, ódio, sensação de inutilidade, solidão, pânico, raiva ou confusão sexual. 

 

Não equipare automutilação com tentativa de suicídio. A maioria das pessoas que se machucam dessa forma não tem a intenção de se matar.

 

O autoflagelo traz à pessoa uma momentânea sensação de paz e calma, assim como um alívio de tensão. Esse sentimento de alívio imediato é normalmente seguido de uma sensação de culpa, vergonha e mais emoções dolorosas. A autolesão é uma solução de curto prazo que pode levar a um problema de longo prazo.

A automutilação pode estar ligada a doenças psicológicas como depressão, ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo, transtornos alimentares, transtorno de estresse pós-traumático e transtorno de personalidade limítrofe.

 

A autolesão frequentemente começa na adolescência, quando as emoções estão à flor da pele. Além disso, outros problemas de controle de impulso (como abuso de álcool ou drogas) podem agravar a situação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lide primeiro com seus próprios sentimentos 

 

Antes de tentar ajudar uma pessoa praticante de automutilação, você deve tentar lidar e neutralizar seus próprios sentimentos a respeito da prática de autolesão. Se você não tiver experiência pessoal com essa prática, ela pode enojá-lo ou chocá-lo.

 

Contudo, você deve tentar não demonstrar esses sentimentos para a pessoa que se fere.

 

Please reload

O que são crenças limitantes?

05.07.2018

Como criamos a Frustração

05.07.2018

Como a ansiedade muda a nossa percepção do mundo?

05.07.2018

Chorar bastante pode fazer bem

05.07.2018

1/4
Please reload

SOBRE O SITE

A ideia deste site é contribuir com informações sobre psicoterapia, psicologia, bem estar e saúde emocional.

 

 A psicóloga Beatriz Brandão atende na região de Moema em São Paulo, no seu consultório de psicoterapia.

 

Seja muito bem-vindo, e espero que você encontre aqui as ferramentas para fazer você compreender melhor o trabalho do psicólogo no processo de terapia e desenvolver o que há de melhor em você.

CONTATO

  • White Instagram Icon
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Google+ Icon
  • White YouTube Icon

BEATRIZ BRANDÃO

PSICÓLOGA

MAPA SITE

|   CRIADO POR: BEATRIZ BRANDÃO | PSICÓLOGA BEATRIZ BRANDÃO   |  MOEMA | CLINICA PSICOLOGIA  |  ATENDIMENTO PSICOLOGICO | PSICOTERAPIA | PSICOLOGIA | 2017 |